43 3422-4191     43 9 9974-2004

Fisioterapia Pélvica, você sabe o que é?

Publicado: 08/11/21 às 16h27

Foto divulgação

A perda involuntária de urina atinge quatro de cada dez mulheres. Os homens também sofrem com incontinência urinária, porém duas vezes menos. Outro problema comum enfrentado pelo enfraquecimento do assoalho pélvico é a incontinência fecal e também o prolapso (abaulamento) de órgãos como bexiga e reto, entre outros.

O problema, apesar de comum, ainda enfrenta certa resistência por ser tratar de algo íntimo. Porém, a fisioterapeuta Lana Daniele da Silva, de Apucarana, observa que a Fisioterapia Pélvica é um recurso valioso no tratamento dessas situações e também de prevenção. Formada em Fisioterapia e graduanda em Fisioterapia Pélvica, ela esclarece os principais pontos dessa especialidade. Confira!

 

Hope - O que é a Fisioterapia Pélvica e qual a sua finalidade?

Lana - A Fisioterapia Pélvica atua na reabilitação das disfunções do assoalho pélvico, que é um conjunto de músculos, também chamados de MAP, e ligamentos que sustentam órgãos como bexiga, útero, intestino e tudo que fica na região baixa do abdômen.

É considerada uma das melhores opções de tratamento das disfunções pélvicas, podendo ser realizada de forma preventiva, ou seja, antes que a doença se instale. A Fisioterapia Pélvica ajuda a adiar, em alguns casos, a intervenção cirúrgica ou até evitar o procedimento cirúrgico.

Hope - Quais as funções dos músculos do assoalho pélvico (MAP) na mulher e no homem?

Lana - A MAP é perfurada pelos canais da uretra, vagina e reto. Assim, sua contração auxilia na continência urinária, na função sexual e na continência fecal.

Na mulher favorece a ereção, lubrificação e orgasmo. No homem, a MAP é fundamental para o aumento da pressão sanguínea dentro do pênis, potencializando a ereção.

Por esse motivo, quando a MAP está fraca ou lesionada, ela não consegue contrair o suficientemente sobre esses canais. O resultado pode ser incontinência de urina e fezes, disfunções sexuais, incluindo flatos (gases) vaginais e disfunção erétil.

Por outro lado, a contração exagerada, incoordenada ou inconsciente da MAP pode causar retenção urinária, dor sexual, ejaculação precoce e constipação intestinal.

É a MAP que também sustenta os órgãos pélvicos, além do bebê durante a gestação.

Cada vez que algo empurra os órgãos para baixo, ao tossir, rir ou fazer algum outro esforço físico, a MAP contrai vigorosa e automaticamente para empurrar os órgãos para cima, evitando que eles saiam de suas posições normais.

Se, por lesão ou fraqueza, a MAP não conseguir sustentar os órgãos, eles descem de suas posições originando os prolapsos genitais (bexiga caída ou útero caído).

 

Hope - Por que a Musculatura de Assoalho Pélvico (MAP) enfraquece?

Lana - De um modo geral, o envelhecimento tem papel decisivo no enfraquecimento natural da Musculatura de Assoalho Pélvico.

Todas as situações que aumentam a pressão intra-abdominal (tossir, espirrar, rir, levantar objetos pesados, praticar esportes, inclusive musculação) sobrecarregam a MAP.

Como qualquer outro músculo do corpo, se a MAP não está forte o suficiente para responder a esses esforços, ela pode ir acumulando lesões e enfraquecendo progressivamente.

Praticamente todas as mulheres, após os 50 anos de idade, apresentam algum grau de fraqueza da MAP e sinais, mesmo leves, de início de incontinência.

Como todo músculo, a MAP é intimamente dependente dos chamados hormônios esteroides, estrogênio e testosterona. Com o avançar da idade, as taxas destes hormônios caem naturalmente.

Na mulher, a menopausa é o ponto culminante desta queda, quando a MAP enfraquece muito mais rápido. De modo semelhante, a andropausa, no homem, também causa o enfraquecimento, mas de modo menos agressivo.

Alguns tipos de cirurgias ginecológicas também podem acabar lesionando e enfraquecendo a MAP, o que explica por exemplo a ocorrência de incontinência urinária após alguns procedimentos.

Hope - É possível prevenir o enfraquecimento da Musculatura de Assoalho Pélvico?

Lana - Sim, como qualquer outro músculo, a MAP pode e deve ser mantida forte, sadia e ativa durante toda a vida por meio do exercício. Existem diversos tipos de exercícios que podem ser realizados e não há diferença para homens e mulheres, uma vez que a musculatura é praticamente a mesma para ambos.

Exercitar constantemente a MAP, além de evitar o enfraquecimento e com ele todos os transtornos citados, melhora ainda a irrigação sanguínea desta musculatura favorecendo as condições necessárias a um orgasmo eficaz e diminui a ação degenerativa do envelhecimento sobre o sistema urogenital, evitando as disfunções sexuais associadas, e do homem, especialmente quanto à disfunção erétil.

Assim como qualquer exercício físico, o treino da MAP requer persistência e precisão nos movimentos, sendo ideal o monitoramento por uma fisioterapeuta especializada, pois se realizados de maneira incorreta os exercícios podem ser prejudiciais, causando efeito inverso ao desejado, ou seja, enfraquecendo ainda mais os músculos.

 


Fisioterapeuta Responsável: Dra. Lana Daniele da Silva

CREFITO: 314424-F

Graduada pela Faculdade de Apucarana – FAP – Apucarana/PR

Pós-graduanda em Fisioterapia Pélvica pela Faculdade Inspirar – Unidade Londrina/PR.

 

Serviços oferecidos:

Fisioterapia Pélvica Masculina e Feminina.

Harmonização Íntima Feminina.

Fisioterapia Preventiva para Terceira Idade.

Fisioterapia na Gestação.

Spa de Massagens Masculino e Feminino

Massagem relaxante manual e com pedras quentes, terapêutica com óleos essenciais e drenagem linfática.

Acupuntura Auricular

 

Endereço: Avenida Santos Dumond, 84 Sala A

Jardim Shangri-lá

Ao lado da Rede Massa (Antiga TV Tibagi)

Telefone para agendamento: (43) 99103-6470

 

Rede Sociais:

Instagram: @lanasilva_fisiopelve

Facebook: Lana Silva